Escolha uma Página

Férias em Paraty

Férias em Paraty
O assunto é férias, então o papo vai ser bom!
Há 5 anos atrás conhecemos um lugar lindo em nossa primeira viagem juntos – e este lugar foi Paraty.
Desde a nossa primeira visita, tínhamos certeza que voltaríamos naquela charmosa cidade muitas e muitas vezes! ( E continuamos com esta certeza.)
Agora em julho, em nossa “petite” pausa para férias, revisitamos (pela terceira vez) este lugar encantador para comemorar o aniversário de 24 anos da Amanda!
Então, resolvemos contar como foi a nossa viagem, compartilhar dicas de lugares agradáveis que conhecemos e te provar por A mais B por que este pequeno centro histórico tem o dom de flechar muitos corações.
Todas as fotos são registros da nossa viagem e foram tiradas por nós. E tudo que citarmos aqui, são experiências espontâneas que vivemos nestes dias. Nada é formal, nem tampouco “profissa” – o papo é leve e solto, pra pessoas dispostas a visitarem um lugar bonito em nosso país, ao alcance de qualquer busão.
Não somos frescos, refinados, nem guias de viagem – mas acreditamos que compartilhar dicas e boas experiências é uma ação super legal, afinal somos seguidores assíduos de blogs deste assunto.
 

 

Paraty é uma cidade litorânea do Rio de Janeiro – para ser mais preciso à 258 km da capital.
Mas chegar até lá por SP também é bem fácil, já experimentamos os dois caminhos!
Se você curte cidades históricas este é um destino incontestável. O seu cento histórico é perfeitamente conservado, com construções belíssimas, cheias de detalhes que contam um pouco da história do nosso país.
Conhecê-la à pé é a única e mais deliciosa forma de desbravar cada ruela e esquina da sua cidade antiga. Ah! Ou de charrete. Adoramos experiências retrô/bucólicas/simples. Super vale “chacoalhar” sobre pedras centenárias, não?
Quer saber uma coisa que adoramos? O citytour com um guia – inteligente e dinâmico – conhecedor da história e de babados  informações atuais. Contratamos este passeio na empresa Paraty Tour e foi ótimo!
Lá também vale a pena fazer passeio de escuna para visitar praias e ilhas (com direito a mergulho em alto mar), passeio à Trindade com guia para conhecer as principais praias e passeio de jipe à cachoeiras e alambiques da região.
Desta vez, por causa do friozinho curtimos (intensamente!) apenas o centro histórico. Mas já fizemos estes passeios das outras vezes e recomendamos!
 
 

 

Pousada  tem que ser aconchegante e fofa, você não acha?

Nos hospedamos na Pousada do Sandi, que fica no coração do centro histórico, e adoramos.
É super agradável ficar na rua até bem tarde, sem hora, sem lenço nem documento. Então dormir bem perto de tudo e claro, no meio do centro histórico, é uma ótima decisão.
Na verdade uma dica muito preciosa é que se você puder, não deixe de se hospedar dentro da parte antiga da cidade! É a forma mais gostosa de se sentir parte daquele contexto tranquilo e apaixonante!
 
 

 

Lojas e ateliês. A Amanda pira.

Brincadeiras a parte, visitar loja e ateliês é umas das coisas que mais gostamos em uma viagem!
Mas tem um detalhe: trabalhos autorais. Lojinhas de presentes previsíveis e sem alma não “nos pegam”. O que gostamos mesmo é descobrir quem são os criativos daquela região, o que eles fazem e porque escolheram morar naquele lugar maravilhoso. Conversamos e batemos muito papo! Tem coisa melhor?
Lojas que roubaram nosso coração:
. Julieta Sandoval – JS Sustentável. Acessórios incríveis feitos de papel que já estão pendurados no pescoço da Amanda há dias! Foi amor primeira vista. (rs)
. Marisa Bidone Ateliê. Acessórios de cerâmica super bonitos. (Já deu pra perceber que a onda da Amanda é pendurar coisa no pescoço  né?) Além disso ela fica no casarão mais antigo da cidade!
. Pitanga. Uma loja com camisetas lindinhas, bem diferentes daquelas “Fui em Paraty e lembrei de você”. Além disso os donos são uma simpatia!
. Rosa Madre. Loja de produtos em tecido e afins. Super bem feitos e coloridos! Tem umas almofadas lindas com tecidos mexicanos. Compramos, claro. 
. Armazem Paraty. Esta loja é pra turista meeeesmo. Cheia de adornos e objetos rústicos e artesanais – pra namorar com os olhos e escolher algumas lembranças.
. Nêga. Esta loja fica fora do centro histórico, na rua João Luiz do Rosário, 172. Ela é de jovens estilistas que criam suas próprias coleções! O ambiente é uma graça e conta com um café super bacana – o Gamboa.
. Una. Lá vende várias marcas legais – locais ou não. Para escolher presentes é uma boa pedida!
. Aracati. O cara é demais! Um uruguaio super simpático que “lapida” moedas antigas. Ele transforma moedas de vários países em pingentes belíssimos. É admirável!
. Livraria das Marés. Uma livraria master blaster de bacana. Cheia de títulos legais, ambiente modernoso, atendimento de primeira, com direito à um Café charmosíssimo no fundo. Caro, mas vale a pena!
 
A última dica é: entre em todas as lojas que puder!
Citamos as nossas preferidas, depois de andarmos por toooodo o centro histórico durante vários dias.
Foram lugares onde fizemos compras e conhecemos pessoas bem legais, por isso ficaram em nossos corações.
Ah! E prepare-se: você vai se perder e nunca se encontrar. O centro histórico foi feito para te confundir – se entregue! (rs)
(Isso mesmo, a cidade foi planejada para confundir piratas em caso de invasão.)
 

Restaurantes e ambientes aconchegantes.

Ai! Essa parte é a nossa preferida. Porque, vamos lá, comer é bão (licença de mineiro) demaaais, né não?
A Amanda faz dieta e só come verde na vida normal “mode on”, mas de férias – não há dieta que nos segure.
Conhecemos vários lugares e experiências boas e vamos te contar algumas:
 
. Celeiro. Uma das melhores pedidas! O restaurante tem “comidinhas inventivas”(o nome já nos conquistou) e a comida é leve e natural. A decoração remete a vendinhas antigas de Minas Gerais, então nos sentimos em casa.
. Sarau. Fica próximo a Igreja Matriz, é um barzinho de mesas na rua super gostoso! 
. Thai Brasil. É bem famoso na cidade pelo ambiente descolado e sedutor! Um tailandês que vale a pena qualquer turista arriscar. As comidas não são tão mirabolantes e são hiper saborosas!
. Café Paraty. Também é bem famoso por ficar em um ponto movimentado do centro histórico. A comida é boa e tem alguns pratos com um preço “legal”, comparados aos demais restaurantes. (Neste caso, legal = menos caro)
. Budega do Poeta. Foi o melhor peixe que comemos! A comida estava maravilhosa. Comemos nas mesinhas que ficam na rua, foi super agradável!
. Benditas. Ambiente mais elegante e modernoso, com música boa! Para fugir do peixinho de todo dia, nos deliciamos com um strogonofe. 
. Le Castellet. Este é um lugar que você não pode deixar de visitar! Paris em Paraty – junção perfeita né não? O cardápio é divino e melhor, o preço, justíssimo! Amamos com A maiúsculo.
. Café Pingado. Um ótimo lugar para um cafézinho da tarde – com bolos, tortas e opções de salgados. Gostamos da variedade do cardápio!
. Quintal Verde. Quer comer bem e economizar alguns dias? Este restaurante é uma ótima dica. Fica na saída do centro histórico. É pequeno, simples e delicioso!
. Paraty 33. É o point dos gringos e de noite rola até baladinha! Almoçamos lá e ficamos surpreendidos pela quantidade de comida – comeriam 3 pessoas. 
 
Observações importantes: o investimento para comer é um pouco alto. Mas come-se bem, então vale a pena!
É muito comum os restaurantes terem música ao vivo, prepare-se para um couvert de 4 a 15 reais. 
Nunca ponha na mala um salto ou um sapato desconfortável: tênis, bota e sapatilha são os calçados amigos para andar no centro histórico. 
 

 Coisas que você não pode deixar de fazer de jeito nenhum.

Assistir ao espetáculo de Teatro de Bonecos! O ingresso custa R$ 40 reais e a apresentação é fixa. A experiência é sutil, melancólica e linda.
O projeto é do Grupo Contadores de Estórias e acontece aos sábados – e em alguns períodos do ano também as quartas-feiras – no Teatro Espaço.
 
Passear pela cidade sem olhar o relógio, sem carregar câmera ou pegar o celular a todo momento – pelo menos por um dia.
A sensação de estar livre, andando e admirando a riqueza da nossa história faz um bem danado pra mente. 
 
Conversar com os moradores de lá. É incrível conhecer os motivos que levaram as pessoas a deixar suas “vidas antigas” e decidir viver em Paraty.
 
Visitar a Casa de Cultura. Lá as exposições são itinerantes e você sempre vai encontrar algo bacana!
Desta vez, tivemos a oportunidade de desfrutar da expo de 90 anos do Millor – contando toda sua trajetória em textos, áudios, vídeo e desenhos. Foi demais!
 
Andar de charrete (se você curte!). Os charreteiros, possivelmente, serão nativos e te contarão histórias que nenhum livro te contou.
Suspeitamos de várias mas achamos bem divertido! (rs)
 
E claro, tirar um dia específico, só para fotografar os cantos magníficos da cidade. Detalhes charmosos que olhos vêem e que precisamos levar pra casa!
 
 

Pra terminar, aqui vai mais uma pitadinha da viagem com fotos de instagram. Por que ninguém é de ferro né?